Paulo Bertran

Solenidade de entrega do Prêmio Brasileiro Imortal

O economista e historiador Paulo Bertran foi o vencedor na região Centro-Oeste, sendo representado pelo seu filho, André Gustavo Bertran (esq.), que recebeu o troféu das mãos do botânico Carlos Victor Mendonça.

Paulo Bertran

O Prêmio Brasileiro Imortal foi criado pela Vale em 2008 para valorizar a atuação de cidadãos que contribuem para a preservação das riquezas naturais e para o desenvolvimento das comunidades do país. Escolhidos por votação popular na internet, os vencedores têm seus nomes perpetuados na nomenclatura científica de espécies botânicas inéditas descobertas na Reserva Natural Vale, localizada no município brasileiro de Linhares, no estado do Espírito Santo.

 

No primeiro ano do prêmio, foram batizadas sete espécies botânicas, sendo uma homenagem especial, uma na categoria nacional e cinco nas categorias regionais – uma para cada região geográfica do Brasil. Todas as espécies foram descobertas na Reserva Natural Vale, um dos últimos remanescentes de Mata Atlântica em relevo plano no Brasil e reconhecida pela Unesco como Sítio do Patrimônio Natural Mundial da Costa do Descobrimento.

 

Uma comissão de especialistas, formada por pessoas que atuam na área de sustentabilidade, escolheu os candidatos ao prêmio. Também foram consideradas sugestões de Organizações Não-Governamentais (ONG’s), com atuação nas diferentes regiões do país.

 

A eleição dos vencedores foi realizada por meio de votação popular, exclusivamente na internet, durou dois meses e acumulou quase 250 mil votos.

Indicados 2008 – Categorias Regionais

 

Norte – Espécie: Antúrio Quilhado

Adalberto Luis Val – Coordenador do Laboratório de Ecofisiologia e Evolução Molecular do INPA.

Dom Alcimar Caldas Magalhães – Implementa ações de sustentabilidade na região do Alto Solimões.

Zeneida Lima - Escritora e poetisa.

 

Nordeste – Espécie: Antúrio Verdão

J. Borges – Xilógrafo e escritor.

João Abner – Doutor em engenharia hidráulica e saneamento, e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Rachel de Queiroz (in memorian)– Escritora.

Centro-Oeste – Espécie: Baunilha Mole

Ezechias Paulo Heringer (in memorian) – Engenheiro agrônomo, ambientalista e professor de botânica na Escola Superior de Lavras.

Manoel de Barros – Poeta cuiabano cuja obra tinha como temática o pantanal.

Paulo Bertran (in memorian) – Economista, doutor em história e planejamento, professor universitário e escritor.

Sudeste – Espécie: Bico Branco

 

Aziz Ab Saber - Geógrafo e professor-emérito da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Ibsen de Gusmão Câmara – Escritor e Membro da American Association for the Advancement of Science, da Society of Vertebrayte Paleontology.

Tom Jobim (in memorian) - Compositor, maestro, pianista, cantor, arranjador e violonista.

Sul – Espécie: Salacia

 

Clovis Schrappe Borges – Médico veterinário e diretor executivo da SPVS (Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental)

Miguel Krigsner – Graduado em farmácia/bioquímica pela Universidade Federal do Paraná e fundador da empresa O Boticário.

Oldemar Carvalho Júnior – Pesquisador e fundador do Instituto Ekko Brasil.

Indicados 2008 – Categoria Nacional

 

Espécie: Antúrio Mirim

 

José Hamilton Ribeiro – Jornalista e escritor.

José Márcio Ayres (in memorian) - Mestre em Ecologia no Instituto de Pesquisas da Amazônia (Inpa).

Paulo Nogueira Neto – Biólogo e um dos fundadores do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama).

Os Brasileiros Imortais 2008

Na categoria Nacional, o jornalista paulista José Hamilton Ribeiro conquistou o maior número de votos da premiação, com mais de 70% da preferência em sua categoria. José Hamilton foi homenageado com uma espécie do gênero Anthurium, popularmente conhecida como Antúrio mirim, descoberta pelo pesquisador Marcus Nadruz Coelho, do Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

 

Na categoria Centro-Oeste, foi eleito o economista e historiador Paulo Bertran (in memorian), que deu nome a uma orquídea, descoberta pelo pesquisador Cláudio Nicoletti, também do Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

 

Na categoria Nordeste, a escritora Rachel de Queiroz foi a mais votada, dando nome a uma espécie do gênero Anthurium, com o nome vulgar Antúrio verdão, também descoberta por Nadruz.

Na categoria Sudeste, o mais votado foi o maestro carioca Tom Jobim, cujo nome batiza um Machaerium, popularmente conhecido como Bico branco. A espécie foi encontrada pelo botânico Carlos Victor Mendonça Filho, das Faculdades Federais Integradas de Diamantina (MG).

 

Na categoria Norte, a escritora e poetisa Zeneida Lima, da Ilha de Marajó, foi a escolhida para nomear um Antúrio quilhado, também descoberto por Nadruz.

 

Na categoria Sul, o empresário catarinense Miguel Krigsner ficou com o primeiro lugar. A espécie que recebeu o nome de Krigsner é uma Salacia, descoberta pelo botânico Julio Antonio Lombardi, da Universidade Estadual Paulista.

 

Homenagem especial Na edição 2008 do Prêmio Brasileiro Imortal, a antropóloga Ruth Cardoso (in memorian) recebeu uma homenagem especial da Vale e também teve seu nome imortalizado na espécie Philodendron (Imbé Feliz), descoberta por Nadruz.

Os nomes atribuídos às novas espécies seguem as normas estabelecidas pelo Código Internacional de Nomenclatura Botânica, tendo sido inseridos nos títulos das espécies de forma latinizada.

 

Selos Comemorativos

 

Além de “batizarem” as novas espécies botânicas, os Brasileiros Imortais também foram homenageados com a produção de selos comemorativos contendo a ilustração das espécies e seus nomes, lançados pelos Correios durante o evento de premiação.

Paulo Bertran

As ilustrações foram feitas por Dulce Nascimento, membro do Conselho da Fundação Botânica Margaret Mee e referência em sua área.

 

Vanilla bertrani

 

Espécie descoberta na Reserva Natural Vale, em Linharas, estado do Espírito Santo, Brasil. Integra a família das orquidáceas e seu nome faz menção ao historiador, economista e escritor Paulo Bertran.

 

O título Vanilla Bertrani foi concedido por meio da premiação “Brasileiro Imortal”, uma iniciativa da Vale que imortalizou seis ilustres brasileiros nos nomes de seis novas espécies botânicas. A premiação contou com 250.000 votos via internet.

As seis espécies recém-descobertas pelos botânicos na Reserva Natural Vale, localizada em Linhares, no norte do Espírito Santo, já foram batizadas. Por meio do Prêmio Brasileiro Imortal, elas ganharam o nome de seis brasileiros ilustres, uma escolha difícil feita através de uma eleição aberta ao público no site www.brasileiroimortal.com.br. A votação durou dois meses e chegou a quase 250 mil votos em todo o Brasil. A solenidade de premiação aconteceu na sexta-feira, 31 de outubro, no auditório da Academia Brasileira de Imprensa (ABL), no Rio.

 

Na região Sul, os internautas escolheram o empresário catarinense Miguel Krigsner, com cerca de 40% dos votos, para receber a homenagem. A espécie que receberá o nome de Krigsner é uma Salacia, que foi descoberta pelo Botânico Julio Antonio Lombardi, da Universidade Estadual Paulista.

 

Foram duas premiações: uma nacional e outra regional, para cada uma das cinco regiões brasileiras. Na categoria nacional, destaque para o jornalista paulista José Hamilton Ribeiro, que registrou o maior número de votos de toda a premiação. No total, conquistou mais de 70% da preferência entre os eleitores. Ribeiro foi homenageado com uma espécie do gênero Anthurium, popularmente conhecido como Antúrio mirim, descoberto pelo pesquisador Marcus Nadruz Coelho, do Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

 

Outras regiões – No Centro-Oeste foi eleito o economista e historiador Paulo Bertran (in memoriam), que dará seu nome a uma orquídea, descoberta pelo pesquisador Cláudio Nicoletti, também do Jardim Botânico do Rio.

 

Na região Nordeste, a escritora Raquel de Queiroz, com cerca de 70% dos votos, foi a vencedora. Raquel foi imortalizada dando o nome a uma espécie do gênero Anthurium, com o nome vulgar Antúrio verdão também descoberto por Nadruz.

 

Com quase 60% dos votos, o maestro carioca Tom Jobim foi o eleito na Região Sudeste e dará seu nome a um Machaerium, popularmente conhecido como Bico branco. A espécie foi encontrada pelo botânico Carlos Victor Mendonça Filho, das Faculdades Federais Integradas de Diamantina (MG).

 

No Norte, a escritora e poetisa Zeneida Lima, da Ilha de Marajó, também chegou próximo aos 60% dos votos. Ela foi homenageada em um Antúrio quilhado, também descoberto por Nadruz. Os candidatos ao Prêmio Brasileiro Imortal foram escolhidos por uma Comissão de Especialistas, formada por pessoas que atuam na área de sustentabilidade. A escolha dos novos nomes, conforme acerto prévio com os botânicos descobridores das novas espécies, teve como principal critério que fossem brasileiros, cujas atividades nas áreas social e ambiental tenham real importância para o desenvolvimento do país.

 

Com o Brasileiro Imortal, a empresa teve como objetivo fazer uma homenagem aos botânicos, cujo trabalho de descoberta e classificação de novas espécies é de grande importância para a ciência, e dar visibilidade às suas ações sustentáveis, em especial a que vem sendo desenvolvida na Reserva Natural Vale, a maior área de Mata Atlântica em relevo plano do Brasil. Desde que a empresa a adquiriu, nos anos 50, já foram descobertas na região 96 espécies da sua flora. Além da conservação, a empresa desenvolve nessa reserva pesquisas científicas essenciais para a conservação e recuperação de ecossistemas tropicais.

 

Homenagem Especial – No evento de premiação, a antropóloga D. Ruth Cardoso, falecida este ano, recebeu uma homenagem especial da Vale: assim como os ganhadores, ela terá o seu nome imortalizado em uma das plantas descobertas na Reserva e um selo com a ilustração da espécie, lançado pelos Correios. D. Ruth foi homenageada em um Philodendron (Imbé feliz), descoberto por Nadruz.

 

Doutora em Antropologia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP), D. Ruth fundou e presidiu, durante o governo FHC, o Conselho da Comunidade Solidária, responsável por programas sociais e de voluntariado. Ao sair do governo, a ex-primeira-dama deu continuidade ao trabalho, através da Comunitas, uma organização da sociedade civil de interesse público (oscip).

 

Uma das inovações apresentadas pela Comunidade Solidária foi um rompimento com práticas assistencialistas para executar sua missão de articular políticas e iniciativas que colaborassem na redução da injustiça social no país. O Conselho, presidido por Ruth Cardoso e formado por 10 ministros e 21 representantes da sociedade civil, promoveu o diálogo entre a sociedade e órgãos governamentais e incentivou parcerias para enfrentar, com eficiência, velhos problemas

sociais.

 

Ilustrações – As ilustrações dos selos do Prêmio Brasileiro Imortal foram feitas pela ilustradora botânica Dulce Nascimento, membro do Conselho da Fundação Botânica Margaret Mee e referência em sua área, com diversos trabalhos espalhados nas mãos de admiradores no Brasil e pelo mundo. Seus trabalhos, aliás, estão expostos nos palácios de Buckingham (Inglaterra), Real de Madri (Espanha) e Palácio Real de Oslo (Noruega), tendo sido presenteados pelo governo brasileiro aos chefes de Estado desses países. Há 22 anos no mercado, Dulce já chegou a descobrir novas espécies em seu trabalho de campo e foi premiada em diversos salões de pintura, entre eles, o da Fundação Botânica Margaret Mee, com uma bolsa para Kew Garden. (Fonte: Assessoria de Comunicação da Vale)